Porque os clássicos nunca morrem

30 de julho de 2010

Warner Baxter

Com 1 Comentario

Há alguns dias, estava me preparando para o meu repouso quando decidi ligar a TV e ver o que estava passando no TCM. Era uma terça-feira e, às 22h00, começou a passar The prisoner of Shank Island, um filme de 1936 que contava a história de um médico que, cumprindo seu dever da medicina, ajudou o assassino de Abrahan Lincol, sem saber o que tinha acontecido. Mesmo assim, foi julgado por consipiração no assassinato do presidente americano e condenado à prisão perpétua por isso.



O que me interessei, de fato, não foi somente a história do filme, mas no ator protagonista, cujos filmes nunca tinha assistido. Estou falando de Warner Baxter que, já naquela época, era um dos atores mais bem pagos de Hollywood.


Então, comecei a pesquisar um pouco sobre este ator. Descobri que começou a carreira como figurante em 1918 e, já na década de 1920, conseguiu um papel importante. Daí, não parou mais: foram mais de 50 filmes mudos, o que fez com que se tornasse um dos mais populares atores do cinema mudo.



No final da década de 1930, chegou o cinema falado. Muitos atores do cinema mudo não conseguiram se adaptar ao falado, mas não foi o que aconteceu com este ator americano.


Em seu primeiro filme falado foi em 1929, In old Arizona. Com o papel de Cisco Kid, ganhou o Oscar de Melhor Ator. Foi o segundo ator a ganhar a estatueta. Também foi seu primeiro papel em filmes de faroeste.



Em 1936, como já disse, era um dos atores mais bem pagos do cinema, mas sua carreira começou a declinar em 1943. Faleceu em 1951 com 62 anos de idade. Veja mais fotos bacanas que peguei deste ator.







+1

1 comentários:

Alan Raspante disse...

Nunca vi um filme com este ator, mas pelo visto ele fez mesmo sucesso, que coisa né ?! ...
Vou tentar conferir algo dele.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial