Porque os clássicos nunca morrem

11 de junho de 2010

Dia dos namorados - Soneto 11 de Luíz Vaz de Camões

Com 6 Comentarios
Amor é fogo que arde sem se ver;


É ferida que dói e não se sente;

É um contentamento descontente;

É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;

É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;


É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.


Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

+1

6 comentários:

Júnia L. disse...

Feliz dia dos namorados!!!

M. disse...

Este é um dos mais belos poemas da língua portuguesa. Aliás, o mais belo sobre este nobre sentimento. Em segundo lugar fico com o "Soneto da Fidelidade" de Vinícius de Moraes.

O que mais gostei neste post foi você colocar as imagens bem de acordo com as palavras do poema. Adorei. Um Feliz Dia dos Namorados para você!

M. disse...

O amor é o mais nobre e verdadeiro sentimento. Nele tudo é perfeitamente belo. Esta poesia do Camões é a mais linda de todas. Adorei ter combinado bem as fotos com os versos. Feliz Dia dos Namorados!

Marcia Moreira disse...

Também considero este soneto uma obra de arte de Camões, pena que algumas pessoas não valorizam poemas como este. Também fico com Vinícius de Morais que, aliás, só criava sonetos lindos também.

Tenham um ótimo domingo!

Alan Raspante disse...

Perfeito esse soneto para o dia de hoje, melhor ainda é as imagens que vc esclher para ilustrar, ficou muuuito bacana!
Feliz dia dos Namorados Márcia!
Bjs =)

Marcia Moreira disse...

Como foi o de vocês? O meu foi muito bom, passei com meu amorzinho, compramos nossos presentes e comida para ficarmos bem juntinhos em casa. Tava muito frio aqui (6 graus!).

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial