Porque os clássicos nunca morrem

15 de março de 2012

O Poderoso Chefão - 40 anos: Curiosidades (2)

Com 0 Comentario

- A princípio, Coppola se recusou a dirigir o filme, pois achava que seria comercial demais e que estaria declarando o fim de seu sonho de produzir filmes alternativos com sua produtora, Zoetrope, que estava praticamente falida. George Lucas, sócio de Coppola na produtora, foi quem o convenceu a aceitar o projeto, já que o diretor devia US$ 400 mil à Warner Bros por conta do fracasso de “THX 1138”, de Lucas.

- Um dos chefes da máfia dos EUA, Joe Colombo, tentou impedir que o filme fosse rodado sob alegação de que “O poderoso chefão seria anti-italiano”. Um acordo feito entre Colombo e o produtor do filme, Albert S. Ruddy, determinou que as expressões “máfia” e “cosa nostra” não fossem utilizadas.

- Marlon Brando e Robert De Niro são os únicos atores a ganhar o Oscar pela interpretação do mesmo personagem, Vito Corleone.

- Na cena da cabeça de cavalo, no ensaio, foi usada uma cabeça falsa. Mas, na hora da gravação, uma cabeça de verdade foi colocada na cama. De acordo com o ator John Marley, seu grito de horror foi verdadeiro, pois não o avisaram de que colocariam uma cabeça de verdade.

- No primeiro filme da saga, houve 18 mortes, incluindo o cavalo.

- Marlon Brando não decorava a maioria de suas falas. Com isso, gravou a maior parte das cenas lendo cartazes espalhados.

- Sylvester Stallone fez testes para os papéis de Paulie Gatto e Carlo Rizzi.

- No terceiro filme da saga, o funeral de Michael Corleone foi escrito e ensaiado, mas não gravado.

- Para gravar “O poderoso chefão III”, foi oferecido a Al Pacino US$ 5 milhões. Ele recusou e disse que só faria por US$ 7 milhões mais participações nos lucros. Coppola não aceitou e disse que reescreveria o roteiro. Pacino ficou com a oferta de US$ 5 milhões.

- O roteirista de “Chinatown”, “Operação Yazuka” e “Missão: Impossível”, Robert Towne, escreveu a cena em que Vito e Michael Corleone conversavam no pátio.

- Coppola chegou a chamar Marlon Brando de “meu herói”.


- Mario Puzo, autor do livro “O Poderoso Chefão”, assina o roteiro do filme junto com Coppola, assim como suas duas continuações, faturando o Oscar pelos dois primeiros filmes.

- Coppola insistia que Marlon Brando seria o ator ideal para o papel de Vito Corleone, mas os executivos da Paramount acharam que ele causaria muitos problemas. Para convencê-los, o diretor gravou um vídeo com Brando se transformando no personagem, o que impressionou a todos.

- A Paramount chegou a cogitar colocar Elia Kazan para dirigir o filme, pois os executivos achavam que ele seria o único que conseguiria lidar com a personalidade de Brando. Porém Brando disse que se Coppola fosse tirado do projeto, ele também estaria fora.

- Talia Shire, que interpreta Connie Corleone, é irmã de Coppola.

- Marlon Brando queria que o rosto de Vito Corleone se parecesse com o de um buldogue. Então, resolveu encher a boca de algodão para seu teste. Para as gravações, foram usadas peças feitas por um dentista que hoje estão em exposição em um museu de Nova York.

- O gato que Vito Corleone segura foi encontrado por Brando no estúdio e não fazia parte dos planos de tê-lo em cena.

- Sofia Coppola, filha de diretor, participou duas vezes da saga. Na primeira, como o bebê de Connie e Carlo, Michael Rizzi, batizado por Michael Corleone; na segunda, como a filha de Michael, Mary Corleone.

- A famosa voz rouca de Vito Corleone foi inspirada no mafioso Frank Costello, um dos gângsteres mais poderosos da história dos EUA. Marlon o viu na televisão na década de 1950 depondo no Congresso Americano e resolveu imitá-lo.

- Diane Keaton, que interpretou Kay Corleone, se inspirou na esposa de Coppola, Eleanor, para compor a personagem.

- Mia Farrow fez testes para interpretar Kay Corleone.

- Os avôs maternos de Al Pacino emigraram da cidade de Corleone, na Sicília, para os Estados Unidos, assim como Vito Corleone.

- Na cena do atentado a Vito Corleone, é possível ver um pôster do lutador Jake LaMotta numa janela, exatamente no momento em que ele compra laranjas.  O boxeador foi interpretado por Robert De Niro em “Touro Indomável” (1980).

- O nome do tradicional chapéu da Sicília, usado pelos guarda-costas de Michael Corleone, se chama coppola.

- O ator que interpreta Luca Brasi, Lenny Montana, estava tão nervoso por contracenar com Marlon Brando que errou parte de sua fala. A cena em que ele treina o que vai falar com Vito Corleone, na verdade, não fazia parte do filme; era, de fato, sua preparação para a cena original, mas ela foi incluída, pois o diretor gostou do nervosismo real do ator.

- O nome Sonny Corleone é uma referência ao primeiro filho do gângster Al Capone, Albert Sonny Francis. No entanto, as semelhanças param por aí, já que o filho do famoso gângster nunca se envolveu com a máfia.

+1

0 comentários:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial